E Quando a Ingratidão Vêm dos Filhos?

O texto que compartilho a seguir chegou pelo WhatsApp.

Primeiramente tratei de confirmar a autoria e depois tentei levantar onde teria sido a primeira publicação.

Apesar de ter sido compartilhado recentemente em alguns blogs, constatei que originalmente apareceu no site da Loja Maçônica Tiradentes, de Florianópolis em 18/10/2015, salvo se tiver sido compartilhada no Facebook do autor, o que não consegui comprovar.

O autor é o jornalista e escritor Jacques Cerqueira, de Recife:

UMA VIRTUDE CHAMADA GRATIDÃO.

No final da tarde fria, recebo a visita inesperada dos meus dois filhos. Um médico, outro engenheiro. Ambos bem sucedidos em suas profissões. Faz menos de uma semana da morte da minha mulher. Ainda me sinto abatido pela perda que mudou os rumos e o sentido da vida para mim. Sentados à mesa da sala da casa simples, onde moro agora sozinho, começamos a conversa. O assunto é sobre meu futuro.

Um frio me percorre a espinha. Logo tentam me convencer que o melhor para mim é passar a viver num lar geriátrico. Reajo. Argumento que a sombra da solidão não me assusta. A velhice, muito menos. Mas meus filhos insistem. Dizem que gostariam que eu fosse morar com um ou outro. Lamentam, entretanto, que as dependências de seus amplos apartamentos à beira-mar estejam ocupadas. Além disso, eles e minhas noras trabalham os dois expedientes. Portanto, não teriam como me assistir. Isso sem contar com os meus netos, sempre impossíveis.

Em meu favor, argumento já sem muita convicção que, nesse caso, eles bem que poderiam me ajudar a pagar uma cuidadora. À minha frente, o médico e o engenheiro dizem que seriam necessárias, na verdade, três cuidadoras em três turnos e todas com carteira assinada. O que custaria, em tempos de crise, uma pequena fortuna ao fim de cada mês. Sucumbo à proposta de ir viver num abrigo. Aí vem outra sugestão: preciso vender a casa. O dinheiro servirá para pagar as despesas do lar geriátrico por um bom tempo, sem que ninguém se preocupe. Nem eles, nem eu.

Rendo-me aos argumentos por não ter mais forças de enfrentar tanta ingratidão. Não falo sobre o sacrifício que fiz durante toda a vida para custear os estudos de ambos. Não digo que deixei de viajar com a família a passeio, de frequentar bons restaurantes, de ir a um teatro ou trocar de carro para que nada faltasse a eles. Não valeria a pena alegar tais fatos a essa altura da conversa. Daí, sem dizer uma só palavra, decido juntar meus pertences. Em pouco tempo, vejo uma vida inteira resumida em duas malas. Com elas embarco rumo a outra realidade, bem mais dura. Um abrigo de idosos, longe dos filhos e dos netos.

Hoje nos braços da solidão, reconheço que consegui ensinar valores morais aos meus filhos. Mas não consegui transmitir a nenhum dos dois uma virtude chamada gratidão.

Para ler no site mencionado, clique aqui.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *