Glenn Greenwald, do Intercept, Foi Advogado de Líder Neonazista

A cena política brasileira foi atingida no último fim de semana pelo tsunami causado pelas revelações do site The Intercept Brasil acerca da operação Lava Jato.

A matéria é assinada por três jornalistas, sendo um deles Glenn Greenwald, editor-fundador do site.

Enquanto o país discute o vazamento das mensagens e as possíveis consequências para os envolvidos, tanto condenados como promotores e juízes, um outro site, a Agência Caneta, trouxe à tona hoje uma revelação bombástica sobre Greenwald.

Ainda que o perfil Caneta Desesquerdizadora ligado ao site tenha atuado fortemente a favor da candidatura do então candidato Bolsonaro e defenda vigorosamente as posições da direita, o fato revelado não pode ser ignorado.

Transcrevo abaixo o artigo mencionado e esclareço que sobre o tema da denúncia há farta documentação disponível no Google:

Fundador do Intercept advogou de graça para líder neonazista por 5 anos

Published on12 de junho de 2019, 13:09 America/Sao_Paulo

Se hoje o americano Glenn Greenwald ganha a vida divulgando supostas mensagens obtidas de forma ilegal por uma fonte “anônima” (ou nem tão anônima assim), o passado do “jornalista” como advogado nos EUA é bem diferente: Glenn se empenhou por cinco anos defendendo, de graça, o líder neonazista Matthew “Matt” Hale.

Hale ingressou em 1992 na “Igreja do Criador”, um grupo neonazista que defendia a necessidade de uma “guerra santa racial” para que houvesse um “mundo branco” sem judeus, asiáticos e negros. Após o fundador do grupo cometer suicídio, Hale criou uma nova “igreja”, a “Igreja Mundial do Criador”, e foi apontado pelos conselheiros do grupo como “pontífice máximo” em 1996.

No dia 30 de junho de 1999, o comitê de avaliação da Associação de Advogados de Illinois recusou o pedido de Hale para advogar no estado por falta de “caráter moral”. Dois dias depois, um dos membros da “Igreja Mundial do Criador” e testemunha pró-Hale no comitê, Benjamin Smith, começou uma série de atentados que durou três dias. Primeiro, atirou e feriu nove judeus ortodoxos que saíam de uma sinagoga em Chicago. Depois matou um negro em Illinois – na frente de dois filho dele – e um estudante universitário coreano que estava a caminho de uma igreja metodista em Indiana. Outras nove pessoas foram feriadas no dia 04 de julho até que os atentados terminaram quando Smith foi perseguido pela polícia de Illinois e se matou.

Três sobreviventes dos atentados entraram com ações judiciais contra Hale, o “pontífice máximo” do grupo neonazista. Em uma ação federal, um pastor atingido com três tiros durante um dos atentados afirmou que Hale enconrajou e conspirou para “cometer atos de violência genocida em nome de uma ‘guerra santa racial’ contra negros, judeus, asiáticos e outros grupos étnicos”. Já numa ação estadual em Chicago, dois judeus ortodoxos que também foram vítimas dos atentados alegaram que Hale ordenou que Smith atacasse grupos miniritários. Na ocasião, o então advogado do líder neonazista, Glenn Greenwald, afirmou: “Eu acho que essas pessoas por trás dessas ações judiciais são tão odiosas e repugnantes que isso me motiva”. Sim, Glenn criticou as vítimas dos atentados por entrarem com uma ação judicial contra o líder neonazista.

Detalhe: aquele que viria a se tornar um assassino em série, Benjamin Smith, afirmou ao testemunhar a favor do pedido de advocacia de Hale em Illinois que ele foi guiado espiritualmente pelo líder neonazista defendido por Glenn. “Ele me guiou espiritualmente… Quando o encontrei pela primeira vez, eu não tinha certeza do que eu queria fazer com a minha vida, em que direção eu iria”. Após os atentados, amigos de Smith afirmaram à polícia que ele dizia que seria um “mártir” da guerra santa racial.

No ano seguinte (2000), em fala ao Los Angeles Times, Glenn voltou a defender a existência do grupo neonazista. Segundo ele, os grupos de direitos civis “afirmaram que têm como objetivo… falir esses grupos de ódio ao forçá-los a gastar recursos com ações judiciais para que não tenham dinheiro para qualquer outra coisa, o que eu acredito…. que é um abuso do sistema legal”.

O grupo neonazista só seria desmantelado no dia 8 de janeiro de 2003, quando Matt Hale foi preso por conspirar para matar a juíza Joan Lefkow por ter condenado a “igreja” a deixar de utilizar a marca “Igreja do Criador”, registrada anteriormente por um grupo religioso do Oregon. Um informante do FBI no grupo neonazista reuniu uma série de vídeos e áudios mostrando que Matt desejava que ele matasse a juíza. Matt foi considerado culpado em abril de 2004.

Enquanto Matt aguardava a sentença, em fevereiro de 2005 um homem entrou na casa da juíza Joan Lefkow e matou sua mãe e seu marido. Os assassinatos não tiveram relação com o caso Hale, mas foram comemorados pelos apoiadores do grupo neonazista.

Semanas depois, Hale foi condenado a 40 anos de prisão por tramar o assassinato da juíza. Durante o julgamento, além dos áudios e vídeos obtidos pelo informante do FBI, os jurados ouviram uma série de fitas de Hale usando xingamentos raciais, incluindo uma em que Hale fazia piadas sobre os atentados cometidos por Smith. Ainda assim, seu então advogado Glenn Greenwald afirmou ao New York Times que o líder neonazista foi “preso erroneamente”.

Pouco tempo após a condenação do líder neonazista, Glenn largou a advogacia e abriu um blog na Internet, iniciando sua carreira no “jornalismo”. Anos depois, em entrevista ao BuzzFeed, Glenn confirmou que atuou no caso Matt “pro bono” (gratuitamente) porque estava “interessado em defender os princípios políticos em que acreditava”, se referindo à Primeira Emenda à Constituição dos Estados Unidos (liberdade de expressão e religião).

Matt Hale ficará preso até 30 de dezembro de 2037.

 

Sugiro a leitura de matéria publicada sobre Matt Hale e Gleen Greenwald no New York Times de 9 de janeiro de 2003, aqui.

A matéria no site da Agência Caneta pode ser lida aqui.

Na foto abaixo, Matt Hale faz a saudação nazista.

   
Foto: spicenter.org

 

 

3 thoughts on “Glenn Greenwald, do Intercept, Foi Advogado de Líder Neonazista

  • Avatar
    Marcelo Jugend

    Gerson, cada nazista alemão julgado em Nuremberg era criminoso genocida. Todos tiveram advogados. Isso transformou os advogados em nazistas? Eichman, em Jerusalém, teve advogado que o defendeu. Era um nazista? Por mais asqueroso que seja o nazista defendido por Greenwald, ele, ao contrário desses outros, jamais levou suas ideias à prática, matando pessoas. Por que não teria direito à defesa? E o artigo no qual você se baseia é de um site ultradireitista e, portanto, deve até ser simpático ao tal Matt Hale. Usam o tema de forma demagógica, pra fugir do que realmente interessa, ou seja, por oportunismo do mais rasteiro. Greenwald, aliás, é judeu, sabia? Desde o começo da carreira como advogado, pautou-se pela defesa dos direitos individuais e constitucionais da cidadania. E sempre que algum desses foi violado, ele defendeu a vítima “pro bono”. Não foi diferente no caso do nazista, cujo processo atropelara as normas processuais. Na époce ele declarou: “Defender os direitos de quem você gosta é fácil. Difícil é fazê-lo quanto aos de quem você odeia”. Acrescento eu: se alguém, bom ou mau, não tem direito a ver respeitadas suas garantias legais, então ninguém o tem. Ou vale pra todos, ou pra ninguém. Você pode até divergir do cara e achar que, no lugar dele, faria diferente. Ok. Mas isso não significa que ele seja antissemita. Aliás, ele foi bem claro ao declarar que odiava o nazista.

    Responder
    • Gerson Guelmann
      Gerson Guelmann

      Marcelo, em nenhum momento afirmei que ele é anti-semita. Com relação ao site que publicou o artigo, observe que mencionei o fato de ser ligado à direita. No que concerne ao Greenwald, sim, sei que é de ascendência judaica. E sei também que ele não acha que o Hamas seja um grupo terrorista, o que, definitivamente, nos coloca em lados totalmente opostos.

      Responder
  • Pingback: Greenwald defendeu líder neonazista que ameaçava juíza federal em 2003 - Estudos Nacionais

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *