O Jaime Lerner e o Elefante do Circo Sarrasani

A polêmica que surgiu nas últimas horas envolvendo a possível indicação de Eduardo Bolsonaro para a Embaixada do Brasil em Washington me fez lembrar de um episódio muito engraçado que aconteceu na última gestão do Jaime Lerner à frente da Prefeitura de Curitiba.

A lembrança veio por associação de ideias, já que o filho do Presidente aponta como uma de suas qualificações para exercer o cargo o fato de ter viajado por todo o mundo.

O que vou relatar ocorreu exatamente no dia 7 de setembro de 1991, data da comemoração da Independência do Brasil.

Naquela época o desfile cívico-militar já era realizado na Av. Cândido de Abreu e o palanque oficial ficava exatamente na frente do prédio da Prefeitura. Ali estavam, além do Prefeito, do qual eu era Chefe de Gabinete, as autoridades militares, do Judiciário e do Legislativo, e o Governador Roberto Requião, então em seu 1º mandato.

A solenidade já havia começado, quando chegou a informação de que a Ferrovila havia sido invadida.

Faço aqui uma digressão:
– a Ferrovila era um projeto do município, em parceria com empresas, uma delas o extinto Bamerindus, para construir moradias para famílias de baixa renda. A invasão foi claramente orquestrada pelo grupo político do Governador e liquidou com o projeto, dando origem à uma ocupação desordenada.

A Ferrovila deveria ser uma grande vitrine do avanço da Prefeitura na questão habitacional, numa gestão plenamente exitosa do Jaime, e a notícia da invasão nos deixou extremamente preocupados.

Como as informações eram desencontradas, ao término do desfile o Jaime convidou o Governador para subir ao Gabinete para uma reunião de emergência. Ainda não sabíamos do envolvimento dele e achávamos que eventualmente o governo do Estado pudesse ajudar o Município promovendo a desocupação dos terrenos antes que a invasão se tornasse irreversível.

Quem conhece a história e o estilo do então Governador sabe que a ajuda não veio e a ocupação irregular se consolidou, com graves prejuízos para a cidade. Seja como for, não é disso que quero tratar agora.

Voltando ao tema inicial:
– o Requião, cuja formação é na área do Direito e tinha sido Prefeito de Curitiba por 3 anos, pretendeu durante a conversa demonstrar conhecimentos urbanísticos falando das viagens que havia feito para conhecer sistemas de transporte em outros lugares do mundo.

O Jaime estava no 3º mandato e mesmo antes de terminar a gestão já havia marcado seu nome pela transformação de Curitiba. Após o Requião se vangloriar das viagens, o Jaime saiu-se com essa:
– “Requião, o elefante do Circo Sarrasani já deu a volta ao mundo e continua sendo o elefante…”

 

2 thoughts on “O Jaime Lerner e o Elefante do Circo Sarrasani

  • Avatar
    Wagner Machiavelli

    Excelente artigo. Requiao errou todas.

    Responder
  • Avatar
    Dico Kremer

    Muito boa. Abs.

    Responder

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *