Quantos Pontos Tem a Tua Religião? Uma Lição Para Todos Nós…

Quantos pontos tem a tua religião? Em que ela se baseia?

A Mariana Souza (Anamari Souza), de apenas 23 anos, diz que a religião dela se assenta sobre 4  pontos.

Essa menina escreveu um poema que fala sobre intolerância religiosa e que sintetiza aquilo que representa o ideal das pessoas de bem. 

O nome do poema é “Tudo começa pelo respeito”.

ouvir ela falando você concluirá que não importa o nome que a gente dá, nossas religiões são as mesmas.    

Escute agora mesmo, uma, duas, muitas vezes, e compartilhe. Você sentirá o coração se encher de emoção com o que essa pessoinha diz.

Além do vídeo onde ela mesma declama, aqui está o texto para você ler quando quiser:

“Quatro pontos tem a minha religião
faço deles a minha filosofia e faço deles a minha ação
viva, creia, ame e faça,
essa também é minha oração,
viva sua filosofia, ame a sua arte, 
creia na sua religião e faça a sua parte, 
mas não use sua religião pra tentar reprimir o outro,
somos sete bilhões de mentes no mundo e 
querer que todo mundo creia na mesma coisa é no mínimo papo de louco.

Eu respeito todos que tem fé, 
eu respeito todos que não há tem, 
eu respeito que crê em um Deus, 
eu respeito que não crê em ninguém.

eu gosto de que tem fé no verso,
eu gosto de quem tem fé em si mesmo,
eu gosto de quem tem fé no universo,
e eu gosto dos que anda a esmo.

um abraço pra quem é da ciência,
um abraço pra quem é de Deus, 
um abraço pra quem é da arte, 
e um abraço pra quem é ateu.

axé pra quem é de axé, amém pra quem é de amém, 
blessed pra quem é de magia,
e amor pra quem é do bem.

intolerância religiosa é a própria contradição, 
religião vem do latim religare que significa união, 
então pare de dividir o mundo entre os que vão e os que não vão para o paraíso, 
o nosso mundo tá doente em tudo enquanto nos perdemos tempo brigando por isso, 
ao invés de dividir as religiões entre as que são do mal e as que são do bem, 
que tal botar sua ideologia no bolso e ajudar aquele moço que de frio morre na rua desamparado e sem ninguém, 
os grandes mestres já disseram que precisamos de união, então porque não fazer do respeito também uma religião?“

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *