A Cesta Básica do Nelson Motta Tem Maconha. Há 55 Anos.

O produtor, escritor e crítico musical Nelson Motta disse há poucos dias, em entrevista ao Jornal O Globo, que fuma maconha todos os dias, há 55 anos.

Nò depoimento, além dessa informação, que é de transcendental importância (não tem como não ser irônico), ele fala da situação política do país e revela estar disposto a passar algum tempo em Portugal (vá anotando).

Não vou transcrever toda a entrevista porque ocuparia muito espaço e seria cansativa, além de tirar o foco principal, que é o comentário que circulou após a declaração dele e que você poderá ler a seguir.

Para contextualizar, pincei apenas um pequeno trecho da matéria d’O Globo:

“Tenho uma memória incrível, não sei por quê. Fumo maconha
todos os dias, há 55 anos. Talvez seja por ter começado
tarde, ali com uns 20 anos”, contou.”

Quem lê meu Blog habitualmente sabe que sou sempre cuidadoso com a atribuição da autoria dos textos compartilhados. Esse caso no entanto é mais um daqueles em que não foi possível identificar. Eu o recebi sem a informação e, no único lugar onde encontrei com o mesmo teor, também não há a informação.

Leia-o, então, e depois me diga o pensa acerca do Sr. Nelson Motta:

“O Nelson Motta fuma maconha todos os dias.

O Nelson Motta fuma maconha todos os dias há 55 anos…

Li ontem, 13/10/2019, uma entrevista com o Nelson Motta. Artigo grande, em revista de grande circulação, do jornal “O Globo”. Com naturalidade e um certo orgulho velado ele diz que fuma maconha há 55 anos todos os dias. Eu gostaria de parabenizá-lo pela foto da revista ao lado de sua mulher e netos. Parece uma família feliz.
Por outro lado, queria saber em que supermercado, farmácia, mercadinho, posto de gasolina ou algo parecido ele faz a compra do mês da maconha de uso diário. Porque não deve ser pouca quantidade… Eu não entendo nada de maconha, de drogas, permitidas ou não. Ninguém da minha família, dos meus amigos, do meu relacionamento próximo usa maconha ou afins. Mas sei que a maconha não é uma droga permitida. Portanto, para que ela chegue ao Nelson Motta, o percurso deve incluir produção ilegal, transporte ilegal, venda ilegal. Mais claramente tráfico, bandidagem. Mas o Nelson Motta usa maconha todo dia e acha bacana.
Talvez o jornalismo sem censura pudesse perguntar onde o Nelson Motta compra a maconha que ele usa todo dia. Quem vai comprar pra ele? Certamente, o próprio não vai até a boca de fumo… deve ter funcionário pra isso. Ou quem sabe um delivery. Um I food de maconha, porque o Nelson Motta é moderno. E o Nelson Motta fuma maconha há 55 anos todos os dias.
Por falar em família feliz… será que o Nelson Motta ouviu falar pequena Ágatha, Alana, Hugo, Rhyan, Ramon, João Roberto e muitos, muitos outros que não puderam tirar mais fotos com as famílias? Foram mortos por balas perdidas. Ah… mas eram balas da polícia, né? A polícia fica trocando tiros com ela mesma… só de brincadeira. A polícia não está atrás de bandidos que produzem, transportam, vendem e traficam a maconha a que o Nelson Motta usa todo dia há 55 anos. A polícia está só se matando e matando crianças. Porque policiais também morrem, tem suas famílias destroçadas e separadas pelo mesmo tráfico que garante a maconha diária do Nelson Motta há 55 anos.
Peraí… os bandidos também morrem… coitados. São vítimas da sociedade, não tem um emprego bonito, carro do ano e tênis da hora. Mas precisam trabalhar, são gente como a gente… E, por que não vender maconha pro Nelson Motta? Negócio bom, venda garantida. Nelson Motta fuma maconha todos os dias há 55 anos. Todos devem ter direito a emprego e renda. Está nos direitos humanos.
Parabéns pela reportagem, jornal “O Globo”. Muito esclarecedora. Agora é só fazer o caminho inverso pra achar os bandidos que sustentam a cesta básica do maconheiro Nelson Motta. Mas, claro, sempre garantindo os direitos humanos dos fornecedores, dos compradores, dos usuários, de toda a rede que sustenta a regularidade da maconha diária do Nelson Motta. Há 55 anos, não esqueçamos.” 

A página do Facebook onde encontrei o texto está aqui.

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *