O Bebê Sorri Para a Vida, Alheio à Morte Cerebral da Mãe

A história abaixo, publicada pelo site SAPO, retrata mais um desses dramas dos quais a gente toma conhecimento e não sabe como reagir:

Fotografia de bebé a sorrir enquanto dorme ao lado da mãe em morte cerebral está a tornar-se viral

22 out 2019 18:09

A adolescente Teegan Barnard, 17 anos, entrou para a sala de partos de um hospital britânico no dia 9 de setembro. Horas depois, nascia Parker Forster, um rapaz saudável. Uma hemorragia interna durante o nascimento provocou-lhe uma paragem cardíaca.

Alheio à (triste) realidade que o rodeia, Parker Forster sorri para a vida. Ainda não fez dois meses mas a sua imagem já corre mundo. A sua fotografia a sorrir enquanto dorme ao lado da mãe em morte cerebral está a tornar-se viral. A adolescente Teegan Barnard, 17 anos, entrou para a sala de partos de um hospital britânico no dia 9 de setembro. Horas depois, nascia Parker Forster, um rapaz saudável que nunca virá a conhecer a mãe.

Durante o nascimento, uma hemorragia interna provocou-lhe uma paragem cardíaca. A equipa médica que acompanhava a britânica ainda a conseguiu reanimar mas Teegan Barnard sofreu danos cerebrais irreversíveis. Ficaria quase um mês ligada às máquinas de suporte básico de vida, no Saint Richard’s Hospital, em Chichester, apesar de estar em morte cerebral. Foi num desses dias que foi tirada a fotografia do bebé, aninhado na mãe.

Teegan Barnard viria a morrer no passado dia 7, acompanhada do filho que nunca conheceu e da família que tanto amava. A avó materna, Abbie Hallawell, 35 anos, que está a criar a criança com o apoio do pai de Parker Forster, Leon Forster, começou a juntar as fotografias da filha grávida para mostrar ao neto quando ele for maior. “Ainda estou em choque. Nunca mais serei a mesma. Ela queria muito ser mãe”, desabafou ao tabloide The Sun.

Quer ler a matéria no site? Clique aqui.

One thought on “O Bebê Sorri Para a Vida, Alheio à Morte Cerebral da Mãe

  • Avatar
    lupercio

    Realmente estou abalado, como se morre assim no ato de se trazer a vida . Não há culpados, espero, a vida é um fenômeno incompreensível. Porém coloquemos a nossa fé, no misericordioso, no bondoso, naquele que nos ama incondicionalmente. Ao escrever estas linhas estou em lágrimas.

    Responder

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *