O Corinthians e o Eterno Reconhecimento dos Judeus Brasileiros

Nesta quarta-feira as 19h30 o Corinthians enfrentará o Fortaleza em partida válida pelo Campeonato Brasileiro da Série A.

De acordo com o comunicado da FISESP – Federação Israelita do Estado de São Paulo em sua página no Facebook, “depois de sete anos, o clube voltará a estampar uma estrela amarela acima do seu escudo. Não será, porém, por nenhum título. O detalhe vai aparecer para relembrar a Noite de Cristais – 9 de novembro de 1938 marca o início da perseguição do Nazismo aos judeus. A ação é realizada em parceria com a agência Tech and Soul e com o Memorial do Holocausto, no Bom Retiro, em São Paulo. Após o apito final, as camisas serão leiloadas e a renda irá para o Memorial. Parte dos uniformes ainda será utilizado em uma exposição temporária na Arena Corinthians.”

Desde que foi anunciada, a iniciativa do Corinthians tocou fundo e está emocionando a comunidade Judaica brasileira.

Em tempos de recrudescimento da intolerância e da propagação do ódio, a ação do clube faz muto mais do que relembrar aquela trágica noite: ela tem o condão de fazer com que os judeus brasileiros, plenamente integrados à vida do país, sintam-se fortalecidos em seus anseios de construção de uma sociedade cada vez mais fraterna e justa. 

A propósito disso, meu querido amigo Marcos L. Susskind escreveu um texto que traduz o sentimento de todos nós:

Carta Aberta ao CORINTHIANS PAULISTA
Por Marcos L Susskind

Prezados Diretores, Jogadores e Torcedores

Quem lhes escreve é um Santista fanático. Mas é o momento de esquecer toda rivalidade, tirar o chapéu para vossa sensibilidade, e agradecer-lhes. É com o coração quebrado, a alma triste mas com um senso de gratidão imenso que redijo esta carta – deixando claro que jamais esquecerei vossa atitude tocante e humana.

Meu nome é Marcos L Susskind, Brasileiro nato, membro do povo Judeu. Nesta semana o mundo, em particular meu povo, estará lembrando a terrível Noite dos Cristais, 9 para 10 de Novembro de 1938.

Há exatos 81 anos ocorreu a famigerada Noite dos Cristais, quando os cultos e educados povos Alemão e Austríaco num acesso incontido de ódio queimaram, destruíram e vandalizaram propriedades de Judeus nestas duas nações. Nesta única noite mais de mil Sinagogas foram destruídas, cerca de 7500 lojas de Judeus foram depredadas, suas vitrines transformadas em resíduos de vidros, incontáveis residências foram invadidas, saqueadas e vandalizadas, todos os Centros Comunitários Judaicos queimados.

Alemanha Nazista e a Áustria mostraram seu lado mais pútrido. Goebbels proibiu a polícia de dar proteção e proibiu os bombeiros de apagarem os incêndios, a menos que “colocassem em risco bens de não Judeus”. E Goebbels não era um troglodita – era Doutor em Filosofia pela Universidade de Heidelberg, o maior celeiro de cultura da Alemanha, fundada em 1386 e cujos alunos têm inacreditáveis 55 prêmios Nobel.

Nesta noite infame. 30.000 Judeus foram levados a Campos de Concentração. Outros 16.000 levados para a fronteira com a Polônia, que não os aceitou – o que os deixou por quase uma semana sem alimentação, sendo transferidos da Alemanha para a Polônia para serem imediatamente devolvidos à Alemanha num vai e vem penoso e humilhante.

Vocês, Corinthianos, colocando a estrela Amarela em seu uniforme nesta semana, mostram um valor humano importante: solidariedade com as vítimas para isto JAMAIS se repita, seja com Judeus ou com qualquer outro grupo perseguido por sua fé, por sua cor, por suas crenças, por seu gênero.

Nós Judeus temos obrigatoriamente de cumprir uma determinação Divina: Tikun Olam – Consertar o Mundo, melhorá-lo. Judeus creem que quando D’us diz: “Façamos o Homem”, no sexto dia da criação, D’us está falando com o próprio Homem. Ele está dizendo que cabe ao Homem ajudar na criação, completar um mundo criado incompleto para que cada homem o aprimore.

Agindo com o respeito ao colocar a estrela em vosso uniforme, vocês estão também fazendo Tikun Olam – melhorando o mundo, mostrando empatia com o sofrimento de tantos!

Creio eu que este ensinamento desde a mais tenra idade seja o responsável pela imensa obra de Judeus. Não somos heróis de guerras, jamais fomos um imenso império tal qual Egípcios, Babilônios, Gregos, Romanos; não participamos das imensas pilhagens de grandes “heróis” como Ciro, Tito, Nero, Átila, Aníbal, Júlio César ou Amenhotep. Judeus não subjugaram outros povos tal como Persas, Caldeus, Gregos, Romanos, Portugueses, Espanhóis, Ingleses, Franceses…

Provavelmente algumas lágrimas escorrerão por minha face ao lembrar da Noite dos Cristais. Muitas serão pela tristeza da lembrança, mas a elas se juntarão lágrimas de gratidão por vosso gesto.

Em meu nome e, sem dúvida, da maioria de meu povo, o sincero agradecimento de um Santista ao Corinthians!!!

 

3 thoughts on “O Corinthians e o Eterno Reconhecimento dos Judeus Brasileiros

  • Avatar
    Francisco Hardy Filho

    Parabéns ao Corinthians. Afinal, como disse o Prêmio Nobel da Paz Elie Wiesel, sobrevivente do Holocausto, “Depois de tudo, Deus é Deus porque se lembra.” Não esquecer, mesmo na mais profunda tristeza, é como prestar nossas homenagens e reverência ao próprio Deus, bem como à nossa capacidade de aprender com os erros do passado…

    Responder
  • Avatar
    Marcis

    Obrigado por divulgar. E obrigado também por me considerar amigo. Admiro muito suas postagens curtas, perspicazes e humoradas

    Responder
  • Pingback: O Corinthians e o Eterno Reconhecimento dos Judeus Brasileiros | Blog do Zé Beto

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *