O Dia Em Que Surpreendi o Jaime Lerner

A história de hoje tem a ver com a Fazenda da família Guelmann e minha passagem pela administração pública.

– logo no início da 1ª gestão do Jaime Lerner no governo, em 26/5/1995, foi inaugurada em Apucarana a 1ª Vila Rural, chamada Nova Ucrânia.

Por hábito que vinha desde que havia chefiado o gabinete na PMC, não costumava acompanhar o Jaime em viagens, mas como era um projeto importante e o Presidente FHC ia comparecer, achei que valia a pena ir. A viagem teria uma extensão e eu também tinha interesse na 2ª etapa.

Terminada a inauguração decolamos de Apucarana para o município de Pinhão, onde a Copel construiu a Usina Governador Bento Munhoz da Rocha Netto, antes denominada Faxinal do Céu. Lá, o Jaime tinha a intenção de usar a antiga Vila dos Funcionários para instalar a Universidade do Professor, o que acabou acontecendo.

Durante a visita fomos conhecer o Horto Florestal que a Copel mantém lá. Para mim foi uma oportunidade incrível, já que tive a experiência de conduzir um projeto de florestamento na Fazenda. Fiquei impressionado com o que vi. Infelizmente não lembro o nome do Engenheiro Florestal que nos guiou, mas fiz questão de elogiar a qualidade do trabalho da Copel naquela área.

Ainda dentro do Horto, passando por uma árvore que chamou minha atenção, comentei com o Engenheiro que era um belo “Taxodium Distichum”.

Jamais esquecerei a cara de espanto do Jaime Lerner. O Engenheiro também ficou surpreso e quis saber como havia identificado a espécie. Expliquei que havia plantado alguns exemplares na Fazenda, em área sujeita a alagamentos (a árvore é conhecida como “Pinheiro do Brejo”).

Claro que foi um golpe de sorte. A demonstração do meu conhecimento botânico certamente não aumentou meu conceito perante o Jaime, mas é uma lembrança a mais que tenho do convívio com ele.

One thought on “O Dia Em Que Surpreendi o Jaime Lerner

  • Avatar
    Raul Urban

    Gerson, meu caro: foi nos longínquos tempos de Jaime que trabalhamos juntos. Sou Raul Guilherme Urban, jornalista, que no próximo ano completa 50 anos de profissão, mas que desde 1993 está de retorno à Comunicação da PMC, após a atuação no Ippuc, de 1976 a 1986. Hoje – há 8 anos – c3edido à URBS, coordeno o Rádio Trânsito de dentro do Centro de Controle Operacional, na Rodoferroviária, mas ao longo desses anos atuei como repórter/assessor nas secretarias de Urbanismo, Abastecimento, Esporte e Relções Internacionais, desde Squl Rais até agora. Lembremos que em 1992 consegui publicar "Calçadão da Rua XV – 20 anos Depois"; em 2000, "Lares & Bares de Curitiba"; em 2002, "Pelos Bares do Paraná", e em 2004 (o lançamnto foi no útlimo dia da administração Taniguchi, na SMMA), "História do Transporte Coletivo de Curitiba – de 1885 a 2000". Enfim, gostaria de um belo dia nos encontrarmos para coletarmos memórias. Em andamento – já que atuo pessoalmnete no setor de pesquisa da Memória da História Urbana -, um enorme documento com hoje 2 mil páginas sobre a história do Mercado Municipal de Curitiba + História da Alimentação, da Hotelaria, da Gastronomia e Roteiro de Ervas, Temperos e Especiarias. Estou às ordens no 9-92819278, ou neste email (urbanraul@gmail.com). Talvez lembremos dos nossos tempos feitos de Tancredo Lombardi, Dario Lopes, Dalledone, Erailto Thiele, Rafael Dely, Lubomir e tantos outros… Forte abraço!!

    Responder

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *