Porque Mães (e Pais) Confundem os Nomes dos Filhos?

Conhece alguma família onde NUNCA foi feita sequer UMA confusão com o nome dos filhos? Difícil, né?

Pois já há um estudo mostrando que não há razão para que os pais se preocupem com isso, bem pelo contrário.

Leia a matéria que trata do assunto e se surpreenda com uma outra conclusão: confundir o nome de algum parente com o do animal doméstico não é sinal de birutice:

Por que os pais confundem os nomes dos filhos?

Pesquisa mostrou que os pais trocam mais nomes com sonoridade parecida ou com a mesma letra inicial

Por Andressa Basilio – atualizada em 14/01/2014 16h21

Chamar um filho quando, na verdade, você está em frente ao outro é um erro tão comum entre os pais que pesquisadores da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, decidiram estudar porque isso acontece e descobriram que a confusão acontece mais se o nome dos filhos tiver uma sonoridade parecida.

Por meio de um questionário online, os participantes, 334 jovens adultos com um ou mais irmãos, foram convidados a avaliar semelhanças na aparência e personalidade com seus irmãos e frequência com que os pais trocavam acidentalmente os nomes. Os sentimentos deles quando isso acontecia também foram abordados.

Os pesquisadores descobriram que os participantes que tinham nomes com a mesma inicial dos irmãos, por exemplo, Jamie e Jason, ou finais parecidos, como Amanda e Samantha, eram mais confundidos do que irmãos cujos nomes não se pareciam. A confusão dos pais também foi prevalente quando os filhos eram mais novos e próximos em idade. Além disso, era mais comum o mais novo ser chamado pelo nome do mais velho, o que, segundo os pesquisadores, tem a ver com o tempo em que cada criança está na família.

Nenhuma dessas conclusões, portanto, tem a ver com uma preferência inconsciente por um ou outro filho, conforme alguns participantes relevaram pensar. “Este fenômeno, que muitas vezes é atribuído pelas pessoas como um lapso freudiano [ou ato falho, erro na falha ou na memória causado pelo inconsciente], nada mais é do que um pegadinha do cérebro durante o processo de recuperação da informação”, escreveu o autor do estudo Zenzi Griffin. “Como a substituição de nomes pode ser influenciada por fatores como similaridade entre os dois nomes ou semelhança física, não devemos dar muita importância a erros como esse”.

Nem o cão escapa!
O estudo abordou ainda uma perspectiva curiosa: um conjunto de 121 entrevistados (mais de um terço) relatou que, muitas vezes, eles foram chamados pelo nome de outros membros da família. E 20 entrevistados afirmaram que eram confundidos com – pasme! – o nome do animal de estimação da família.

Essa descoberta inesperada, de acordo com Griffin, significa que fatores sociais e situacionais também desempenham papel importante na forma como os pais recuperam um nome para abordar o filho. Por exemplo, uma mãe está na cozinha e quer que seu filho venha jantar. A última vez que ela estava na cozinha, chamou o cachorro Fluffy para jantar. A semelhança da situação pode fazer com ela diga “Fluffy, venha jantar!”, mesmo que ela queira se referir ao filho.

“Apesar de muitos trabalhos considerarem a forma como a troca de nomes afeta a auto-identidade e as interações sociais entre as pessoas, pouco se sabe sobre as consequências da escolha do nome pessoal ao falar. Este estudo começa a preencher esta lacuna”, acredita Griffin.

Para ler o artigo original, clique aqui.

2 thoughts on “Porque Mães (e Pais) Confundem os Nomes dos Filhos?

  • Avatar
    Marcelo Munaretto

    Como pai de 4 filhos e tendo dois bichinhos em casa, filho em ler essa ótima matéria.
    Mas por auto-observação, diria que sobre a recuperação de memória, um fator importante é o “tipo de bronca” (essa expressao é 40% brincadeira) que vai dar na criançada… faz sentido para mais alguém?

    Responder
    • Gerson Guelmann
      Gerson Guelmann

      Olha, meu querido Munaretto, de minha parte a matéria aliviou um pouco o sentimento de “caduquice”, porque como pai de 6, a confusão é bem frequente…

      Responder

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *