Quem Nasce Em Governador Edison Lobão, O Que É?

Não nos queixemos da vida.

Se temos nossas dificuldades e insatisfações, devemos pensar nos menos favorecidos, como é o caso, p.e.x, dos brasileiros que tiveram a infelicidade de nascer ou decidir morar no município de Governador Edison Lobão, no estado do Maranhão.

O tal município foi criado em 1994 e conta com cerca de 16 mil habitantes.

A primeira coisa que me ocorreu quando li a matéria que me levou a fazer esta postagem foi: como será o “gentílico” de quem nasce lá? Essa resposta eu tive ao consultar o Google: é “edison-lobense“. Que tal?

A segunda coisa na qual pensei foi derivada do fato de saber que existe lei que proíbe usar o nome de pessoas vivas em obras e locais públicos. Diante disso foi fácil concluir que o impedimento seria muito maior no caso da denominação de uma cidade. E como sei que o tal Edison Lobão ainda não desencarnou…

Se você já ouviu o nome “Edison Lobão” mas não lembra em que contexto isso se deu, aqui vai um breve resumo:
– trata-se de político maranhense de 87 anos, filiado ao MDB que governou o estado, foi também Senador e nos governos dos ex-presidentes Lula e Dilma ocupou o cargo de Ministro. Em 2018 tentou se reeleger ao Senado, sem sucesso,

Ele, um filho e a nora são réus na operação Lava-Jato. O filho, aliás, esteve preso em Curitiba.

Bom, a matéria à qual me referi foi publicada no site Valor Econômico e é bem ilustrativa do enorme problema com o qual se defrontam os munícipes de Governador Edison Lobão, que, não por acaso, não gostam de se referir à cidade pelo nome oficial e preferem chamá-la de Ribeirãozinho.

O que acontece é que a Justiça decidiu pela suspensão dos repasses de recursos federais à Prefeitura enquanto a cidade não mudar de nome, após pedido formulado pelo Ministério Público Federal.

Ao contrário do que imaginei, o dispositivo legal utilizado pelo MPF é o que veda a denominação de bens públicos como homenagem à pessoa que receba qualquer tipo de subsídio dos cofres públicos federais.  

A prova do desconforto que a denominação traz ao Município reside no fato de que o processo foi encaminhado à segunda instância sem que a Procuradoria do Município, governado por Prefeito do PCdoB, tenha recorrido.

Como você vê, os “edison-lobenses” mal podem esperar o momento de serem chamados de “ribeirenses”.

Ou seria “ribeirãozinhences”?

A matéria do Valor Econômico pode ser lida aqui.

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *